Menina Amarrotada

meninaamarrotada2Há alguns anos, quando eu li pela primeira vez “Onde Vivem os Monstros”, ativei algumas lembranças que passam despercebidas quando se olha para os tempos de criança. Observando assim, por cima e com nostalgia, é fácil cair no senso comum de que a infância foi um poço de ternura e pureza. O clássico de Maurice Sendak me fez lembrar de algo óbvio, escondido sob camadas do tempo: ser criança é lidar, também, com um bom tanto de angústias aterrorizantes e sentimentos confusos.

Dito isso, gosto de livros que tratem desses assuntos que arranham o mito da criança sempre feliz. Angústia faz e fará parte da vida de todos, fazer o quê? Melhor encarar os sentimentos, como a “Chapeuzinho Amarelo” fez olhando para os seus medos.

“Menina Amarrotada” vai por esse caminho. A menina do título não tem nome, é só “menina” mesmo. Mesmo assim, é fácil perceber algo em comum com a protagonista.

Essa menina vive uma vida feliz e tranquila com sua família. Até que o pai sai de casa para uma viagem muito longa – possivelmente por uma separação conjugal com a mãe ou por uma viagem longa mesmo –, e a filha sente como nunca sua falta.

amarrotada_bx

Ilustração de “Menina Amarrotada” (Reprodução)

E então lhe invadem os sentimentos, digamos, “amarrotadores”. E tanto o narrador quando os desenhos começam a dar mais atenção no que vai dentro da personagem – algo que a ilustradora e autora Aline Abreu aproveitou bem em várias situações. Por exemplo: fazendo a menina voar em um redemoinho quando percebe um vazio interior e flutuando como um pássaro quando consegue se distrair um bocado desse vazio.

Tem também a página em que a personagem aparece toda amarrotadinha em uma folha de papel amassado, “tal como roupinha dentro de mala cheia”. Além de resumir a ideia principal do livro, o desenho ilustra bem esse momento cheio de sentimentos esquisitos que rondam a menina. É um livro com boas ilustrações e interessante para encararmos aqueles dias em que voltamos pra casa murchos como uva passa. Ou, repetindo: amarrotados como roupas em mala cheia. E quem — criança ou adulto — nunca se sentiu assim?

MENINA AMARROTADA
Indicação:
a partir de 6 anos.
Autora e ilustradora: Aline Abreu
Editora: Jujuba

Comente: