Bruxa e Zumbi

André Vianco começou a escrever seus livros com temática sobrenatural  no final da década de 1990. “Bento”, “Os Sete” e outros títulos, porém, tinham por público leitores um pouco mais velhos, diferentemente da série “Meus Queridos Monstrinhos”, da qual “Bruxa” e “Zumbi” são os primeiros exemplares.

bussola_zumbi“Zumbi” introduz os personagens que devem ser os protagonistas da coleção: Pedro e Bia, duas crianças de oito anos bastante curiosas e destemidas. Pedro gosta de Bia, mas isso é outra história. Num dia comum de aula, o professor de ciências propõe o estudo de rãs raras do Nepal que trouxe para a sala. Num descuido, as tais bichinhas fogem, mas de inofensivas não têm nada e acabam dando umas mordidas em alguns alunos. E é justamente depois dessa confusão que Pedro percebe se olhando no espelho que está um pouco verde demais para um menino.

Com ilustrações tão divertidas quanto as de “Zumbi”, “Bruxa” acompanha a viagem de feriado prolongado da dupla, que vai passar alguns dias na casa do avô já falecido da menina, na Serra do Mar. Chegando lá, já se encantam com o tamanho do lugar e suas inúmeras possibilidades de diversão, pois o antigo dono da casa não apenas era taxidermista como também mantinha no porão um livro fantástico sobre todas as criaturas que já havia encontrado na floresta.

bussola_bruxaÉ também no meio na mata que os dois encontram alguns itens estranhos durante uma caminhada – um tabuleiro de xadrez, um lampião e uma vassoura. Só que esses achados tinham dona…

Até aqui, ao menos, uma forma bem simpática de introduzir monstrengos no cardápio de leitura de pequenos leitores.

 

 

Zumbi: O Terrível Ataque das Rãs do Nepal
e
Bruxa: Um Feriado Assombroso na Floresta
André Vianco, com ilustrações de Santtos
48 (“Zumbi”) e 56 páginas (“Bruxa”)
Editora Rocco

Comente: