Achimpa e Greve

Resenha que fiz para a Folhinha, caderno infantil da Folha de S. Paulo, publicada em 28 de  junho de 2014. Veja a matéria original aqui.

Catarina Sobral/ Divulgação

Catarina Sobral/ Divulgação

Um belo dia, alguém sacode a poeira de um dicionário velho e descobre uma palavra antiga, mas que ninguém conhecia. Seria um verbo? Um adjetivo? Ou um substantivo?

No livro “Achimpa”, da ilustradora e autora portuguesa Catarina Sobral, este impasse deixa a população de uma cidade em polvorosa. Cada especialista dá uma classificação diferente, e “achimpa” ganha novos ares e usos. Além de brincar com a língua, a história trata, de um jeito bem humorado, da euforia das pessoas em mostrar que conhecem a palavra do momento. Durante a leitura, também é legal notar como o significado das palavras muda de acordo com as classes gramaticais.

Outro livro da autora relacionado ao assunto é “Greve”. A confusão começa com a revolta dos pontos, que param de trabalhar: além dos que sobrevoam o “i” e dos que finalizam frases, somem os pontos das partidas esportivas, os pontos cardeais, e vários outros pontos importantes para o mundo. Como sobreviver sem eles?

Acompanham as histórias ilustrações bem criativas, o ponto (olha lá) alto dos livros. Em “Achimpa”, os personagens parecem pintados a lápis e giz de cera e os cenários são cheios de detalhes. Em “Greve”, são usadas várias colagens, inclusive de fotos. Ambos os livros têm figurinos e objetos com carinha de velhos tempos – um simpático charme retrô.

ACHIMPA
Autora e ilustradora: Catarina Sobral
Adaptação para o português do Brasil: Monica Stahel
Indicação: A partir de 9 anos
Editora Martins Fontes
R$ 32

GREVE
Indicação: a partir de 9 anos
R$ 39,80