Receitas Nojentas Idéias Bolorentas

Mais uma resenha da época do UOL Crianças. Se não estiver errada, aproveitei o plantão de fim de ano de 2010 pra escrever esta.

 

bussola_ideiasbolorentas‘Eca, eca, eca, não como essa meleca!’ Foi com essa revolta toda que Cecília começou a encarar as refeições em sua casa, de uma hora pra outra. E tudo porque sua mãe sempre lhe oferecia chuchu, beterraba e outras coisas que a menina considerava ‘porcarias’. Mas como não dá pra viver só de pizza e hambúrguer, a garotinha foi levada a um consultório bem diferente para aprender que verduras e legumes podem ser bem gostosos. Essa é a história do livro “Receitas Nojentas Idéias Bolorentas”, de Eliana Martins.

Quando Cecília conheceu a Dra. Ema Luca, psicóloga, percebeu que ela não era uma médica tradicional. Parecendo a Olívia Palito e falando com um sotaque engraçado, a doutora disse que era amiga de uma bruxa que sabia fazer receitas muito especiais, mas que só podia contá-las para quem passasse em um teste. Depois de passar por ele, a garotinha pôde ter acesso a esses pratos bem diferentes que a bruxa criou, como Pés de Morcego ao Cuspe de Gambá e Pudim de Língua de Anta, por exemplo.

Todas as receitas têm como ingredientes verduras e legumes, mas nem dá pra perceber, porque a bruxa sabia mesmo como fazer para que os pratos parecessem coisas nojentas, como na receita de Empadinhas de Terra com Minhocas.

Um capítulo bem legal do livro é quando Cecília explica direitinho os nomes dos procedimentos na cozinha. Aí fica fácil entender o que é o quê.

Além dessas receitas, Cecília aprendeu com a Dra. Ema Luca outras coisas bem interessantes, como por exemplo, a como fazer uma tinta invisível, a se fantasiar de zumbi pra festa do Dia das Bruxas e até uns códigos secretos para falar sem que ninguém por perto entenda.

 

Receitas Nojentas Idéias Bolorentas
Eliana Martins

Melhoramentos

48 páginas

 

Comente: