Vampiro que bebe tinta de livros inspira coleção juvenil francesa

Bom, como já disse em outro momento, adoro monstros clássicos. Sou daquelas pessoas que não precisa de muito para me interessar por histórias que tragam vampiros, lobisomens, Frankensteins e afins para o centro da trama. Mas foi com especial ternura que encontrei a série “Chupa-Tintas” na Bienal. Como comecei do último livro da coleção, minha impressão certamente foi diferente da de quem viu na ordem, ainda mais porque, ao que parece, foi mesmo no último “O livro dos pequenos chupa-tintas” que o autor francês Éric Sanvoisin resolveu pontuar com drama a história, de certa forma, deixando ainda mais bonita a mensagem sobre a importância de ler e de como esse mundo mágico da leitura pode salvar a vida de alguém.

Enfim, a trama é uma gracinha. Draculivro é um vampiro bem diferente desses que você conhece do cinema. Mesmo com o visual fantasmagórico, os caninos afiados e a cara de mau, o personagem tem uma coisa que nenhum outro monstrengo de sua espécie tem: alergia a sangue. Ele ficou alérgico à bebida depois de cinco séculos a consumindo e, por isso, hoje em dia só consegue se alimentar da tinta de livros. Por conta disso, olhando de pertinho, é possível ver algumas letras no rosto dele, como se fossem veias, e até mesmo seu caixão, em forma de caneta tinteiro, foge bastante do convencional.

Pra alguém que só bebe tinta, o lugar mais delicioso pra ir só pode ser um (e alguém me diz que essa não é uma ideia de encher os olhos para quem tenta convencer os jovens padawans de que ler é sensacional e fundamental). E é numa livraria, fazendo um lanchinho (com um canudinho no meio das páginas, Draculivro vai chupando toda a história), que o vampiro é visto por Odilon, o menino que é filho do dono da loja e – olha só – odeia ler. Curioso, o garoto acaba seguindo o vampiro até o cemitério e lá, depois de ficar sabendo sobre sua dieta muito especial, é mordido por ele.

Assim, Odilon vira também um chupa-tintas. Cada vez que aspira uma publicação, o menino vive a história que está “comendo”, o que transforma ler um livro numa experiência muito mais legal do que ele jamais poderia imaginar.

Claro que nem tudo é simples quando se vira um chupa-tintas. Engolir erros de ortografia pode fazer mal, até. E chupar uns livros coloridos também faz bem para a digestão. Mas Odilon vai contar com a ajuda de Carmilla, sobrinha de Draculivro, para passar por todas as dificuldades que apareçam.

Por enquanto a coleção tem sete livros, mas tendo em vista a guinada que se deu na trama do último, acredito que logo chegam outros.

 

O Chupa-Tinta

No primeiro livro da série, Odilon conhece Draculivro, um vampiro bem diferente dos conhecidos. De quebra, o menino ainda vai ser mordido.

Um Canudinho Para Dois

Odilon está aproveitando para ler/chupar a tinta de todos os livros que pode, mas se sente sozinho… Enquanto isso, uma garotinha chamada Carmilla passa a frequentar a mesma escola do garoto. Tem tudo para ser um amor a primeira mordida!

Cidade dos Chupa-Tintas

O cemitério em que Draculivro mora vai ser transferido para outra região. Mas o vampiro não pode ficar mais do que um quilômetro distante de sua tumba de origem, porque senão pode secar. E agora?

O Pequeno Chupa-Tinta Vermelho

Odilon e Carmilla se empolgam na hora de beber um livro e acabam sendo sugados para dentro da história, enquanto os personagens da trama vão dar uma olhada em como o mundo é fora das páginas.

A Pequena Chupa-Cores

Carmilla fica doente e ninguém sabe o que fez mal a ela. Mas com a ajuda do Dr. Freudkenstein, Vlad e Sylvania (os pais da menina), Odilon vai conseguir ajuda-la e ainda decidir o que quer ser quando crescer.

 O Chupa-Erros de Ortografia

Erros de impressão e de ortografia podem até dar um tempero especial a alguns dos livros que Odilon lê, mas chupar coisas assim demais faz mal. E Draculivro detesta ver verbos mal conjugados ou palavras escritas errado.

O Livro dos Pequenos Chupa-Tintas

Odilon não tem estado muito próximo de seu pai e sente muita saudades dele. Carmilla tem uma ideia para reunir os dois novamente e, para isso, vai usar um livrinho já sugado para contar uma nova história.

Coleção Draculivro

Editora Martins Fontes

Éric Sanvoisin, com ilustrações de Martin Matje

Comente: