As muitas formas de ver uma mesma situação

Uma das coisas que mais me deixam impressionada na literatura para crianças é a forma como alguns autores, unidos a ilustradores, conseguem transformar uma ideia complexa de explicar para pequenos (e, sejamos francos, até pra muito adulto por aí) em agradáveis e palatáveis páginas de livros. Um exemplo disso é Pato! Coelho! , de Amy Krouse Rosenthal e Tom Linchtenheld, lançado há um tempinho pela Cosac Naify.

A proposta parece simples: mostrar que muitas vezes, você vê algo de uma forma, outra pessoa, de outra, e os dois estão sendo fiéis ao que veem, sem a existência de certo e errado. Assim, as quase 40 páginas do livrinho se aventuram em mostrar o diálogo de dois personagens que não são vistos, mas que podem muito bem ser duas crianças ou seu pai e sua mãe.

Entre os argumentos de cada um sobre qual animal é o que estão vendo, o leitor também muda de opinião conforme o ângulo da ilustração. E aí já se dá aquela epifania básica de notar que eventualmente as crianças conseguem entender algo tão fundamental pra convivência humana de um jeito tão simples.

Rosenthal viu Linchtenheld desenhar o patocoelho numa palestra em uma escola e diz que foi desse contato inesperado com a figura que teve a ideia de fazer o livro. Parabéns pra moça pelo olho clínico.

Muito recomendado para pequenos e para alguns maiores com alguns desvios de educação.

Comente: